Homeopatia e Menopausa – Qual a Ligação entre Elas

Olá gente!

Hoje vamos falar de um tema bem legal e que tem chamado a atenção de muitas pessoas, pois a homeopatia é um método super antigo da medicina, mas não muito popular e tem crescido cada vez mais a procura aos benefícios que ela pode proporcionar.

Homeopatia? Conhece os seus benefícios na menopausa?

A palavra tem origem no grego homoispathos, onde homóis = semelhante e pathos = sofrimento, doença, é uma medicina de origem científica criada pelo médico alemão Christiano Samuel Hahnemann.

A homeopatia usa medicamentos provindos dos três reinos: animal, mineral e vegetal. Os medicamentos são dinamizados por método especial e se tornam muito potentes, com a ideia sempre do tratamento natural de cura do próprio organismo. Com isso, a essência está em tratar a doença pelo doente, examinando além dos sintomas, os seus hábitos em termos de questões físicas e psicológicas.

A homeopatia vem crescendo cada vez mais devido ao desenvolvimento da tecnologia quando relacionada a informática, genética e outras áreas que englobam as ciências biológicas e sociais. E digo sociais, porque está ligada não somente a área da medicina mas também na busca de informações e tratamentos naturais pela sociedade como um todo.

Segundo o Prof. George Vithoulkas, da Academia Internacional de Homeopatia, a Homeopatia é uma ciência viva e dinâmica e só pode ser eficaz quando se tornar um conhecimento vivo e vibrante na mente e no coração do homeopata e paciente.

A menopausa

Ocorre quando os ovários deixam de produzir os hormônios estrógeno e progesterona, e o fluxo menstrual acaba. Em média acontece quando a mulher tem entre 40 a 50 anos.

Os tratamentos complementares podem ser benéficos a qualidade de vida da mulher na fase da menopausa, a pesquisa de Bordet et al. (2008) avaliou os efeitos do tratamento homeopático e gerou alguns resultados muito interessantes:

  • Houve uma redução significativa na frequência de ondas de calor durante o dia e noite;
  • Foi demonstrada também uma redução significativa no desconforto diário causado pelas ondas de calor;
  • 90% das mulheres relataram desaparecimento ou redução de seus sintomas, que ocorreram, após 15 dias do início do tratamento.

A pesquisa foi realizada com 438 mulheres com idade médias de 55 anos, usando os tratamentos homeopáticos prescritos:

– Lachesis mutus, Belladonna, Sepia Officinalis, Suphur e Sanguinaria canadensis (com as suas respectivas potências e administração conforme orientação médica), com a evolução clínica dos sintomas e a frequência de fogachos diurnos e noturnos.

E temos mais, estudos concluíram que evidências observacionais demonstraram uma associação entre o tratamento homeopático e a melhora dos fogachos, fadiga, ansiedade, depressão, qualidade de vida para as mulheres na menopausa e as sobreviventes do câncer de mama.

A revisão proposta por alguns professores da USP (3) objetivando analisar as opções de tratamento não hormonal da mulher em fase climatéria, aponta que as indicações para o tratamento não hormonal são várias e sempre determinadas pelo desejo da mulher, da sua impossibilidade de receber tratamento hormonal, pela sua viabilidade que podem ser assim sintetizadas(4,5):

– Desejo da mulher em não tomar hormônios;
– Fatores socioculturais;
– Preferência do profissional;
– Intolerância da mulher ao tratamento hormonal;
– Contraindicações para uso de hormônios.

As contraindicações médicas para uso de hormônio já definidas são:

– câncer de mama tratado ou não;
– câncer de endométrio em estádios avançados;
– carcinona endometrioide de ovário;
– melanoma;
– doença tromboembólica aguda ou tratada;
– hepatopatias agudas ou com insuficiência hepática;
– sangramento genital de causa não esclarecida.

As condições clínicas acima citadas sem dúvida mostram a necessidade de opções para tratamento não hormonal para as mulheres no climatério (3-5).

Vários estudos nos mostram o potencial do tratamento homeopático, evidenciando ainda mais a segurança e a eficácia desse método terapêutico que tem proporcionado qualidade de vida quando bem administrados por um especialista, sendo uma alternativa com excelentes resultados.

Gostaríamos de despertar a curiosidade dos nossos leitores para o tema e incentivar a busca por informações relacionadas a homeopatia.

E você teve algumas experiência com tratamento homeopático? Compartilhe com a gente. A equipe da Sempre Viva está a disposição para auxiliar nas dúvidas juntamente com a nossa farmacêutica homeopata Dra. Vivian Bruna Machado Costa.

Referências

1. HOMEOPATIA: Ciência e Cura; George Vithoulkas.
2. Bordet MF, Colas A et al. Treating hot flushes in menopausal women with homeopathic treatment-Results of an observational study, Homeopathy, Volume 97, Issue 1, January 2008, Pages 10-15.
3. Alternativas para o tratamento não hormonal de mulheres no climatério / Alternatives to non-hormonal treatment of climacteric women
Bagnoli, Vicente Renato; Fonseca, ngela Maggio da; Bagnoli, Fábio; Cezarino, Pérsio Yvon Adri; Silva, Jucilene Sales da Paixão; Baracat, Edmund Chada.
Rev Bras Med; 71(9)set. 2014. Artigo em Português | LILACS | ID: lil-730193
4. Kronenberg F & Fugh-Berman A. Complementary and alternative medicine for menopausal symptoms: a review of randomized, controlled trial. Ann Intern Med 2002; 137:805-813.
5. Bagnoli VR, Fonseca AM, Halbe HW & Pinotti JA. Climatério – Terapêutica não Hormonal. São Paulo, Editora Roca, 2005. 418p.
6. Fonseca AM, Bagnoli VR, Junqueira PAA, Pinotti JÁ. Assistência a mulher noclimatério e senilidade. In: Lopes AC(Ed) e Pinotti JÁ; Fonseca AM & Bagnoli VR (Coordenadores Secção 16 – Ginecologia e Saúde da Mulher.Tratado de Clínica Médica 2ª Edição, São Paulo, Editora Roca Ltda., Volume 2, Capítulo 280 p 3059-3063, 2009.

Graduando em administração, libriano e proseador. Sou mineiro de sangue, gosto muito de desafios novos seja no campo social, político, saúde e dia-a-dia (a boa conversa cotidiana, refletindo sobre tudo um pouco).

Lucas Bueno
Lucas Bueno
Graduando em administração, libriano e proseador. Sou mineiro de sangue, gosto muito de desafios novos seja no campo social, político, saúde e dia-a-dia (a boa conversa cotidiana, refletindo sobre tudo um pouco).